Proporcionar maior vínculo com os profissionais de saúde e contribuir para a diminuição dos indicadores de morte materno-infantil. Esses são os objetivos principais do modelo de atendimento que está sendo implantado nas unidades básicas de saúde de São Miguel do Iguaçu, por meio do programa Mãe Paranaense, do Governo do Estado.

 

As enfermeiras dos ESF’s (Estratégia de Saúde da Família), Unidade Central e Clínica de Especialidades participaram nesta quarta-feira (14) da capacitação sobre o novo modelo que inclui o enfermeiro no atendimento à gestante durante o pré-natal e depois do nascimento do bebê.

 

A enfermeira coordenadora da Unidade Central, Beatriz Tres, uma das responsáveis pela capacitação, explica que as gestantes poderão intercalar consultas com o médico e o profissional de enfermagem.  “A proposta do Mãe Paranaense é que todos os municípios adotem esse procedimento. Os profissionais de enfermagem irão auxiliar a gestante com maior vigilância e acompanhamento, repassando informações além das que foram conferidas pelo médico, como calendário de vacinas, período de amamentação, encaminhamento nutricional, odontológico, entre outras informações”.

 

Segundo a enfermeira, o modelo será implantado como projeto piloto em todas as unidades de saúde até o final do ano e a partir de 2014 em definitivo.

 

As capacitações do programa Mãe Paranaense são realizadas de forma continuada com os profissionais de saúde do Município. As informações são repassadas pelas enfermeiras que participam de treinamentos em Curitiba e na 9ª Regional de Saúde.

 

Atendimento

 

Seguindo a classificação de risco gestacional pela Rede Mãe Paranaense, o atendimento às gestantes em São Miguel do Iguaçu funciona da seguinte forma:
– risco habitual ou baixo – o acompanhamento é feito na unidade ESF com médico e enfermeiro.
– risco intermediário – o atendimento acontece na ESF com o enfermeiro e na Clínica de Especialidades, também com médico.
– alto risco – a gestante é atendida pelo ESF e pelo Hospital Costa Cavalcante, em Foz do Iguaçu, que é o centro de referência credenciado pelo Estado.

 

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO


Compartilhe

Google+