A Secretaria Municipal de Assistência Social de São Miguel do Iguaçu realizou no sábado (13) uma palestra sobre o Acolhimento Familiar, especificamente preparado para Rede de Proteção da Criança e do Adolescente.

Para melhorar e modernizar o atendimento, São Miguel está em fase de implantação da modalidade de acolhimento familiar, Programa de acolhimento sob o projeto de Lei Federal nº 7.047/2014, a qual propõe esta modalidade de acolhimento aos municípios, com o suporte do Ministério Público e Poder Judiciário.

O encontro no Centro de Convivência do Idoso reuniu secretários, o Promotor de Justiça André Luiz Querino Coelho, Conselho Tutelar, servidores públicos, representantes da Polícia Militar, Civil, Corpo de Bombeiros e a população em geral. A Assistente Social Neusa Cerutti foi quem ministrou os trabalhos da manhã.

“Desde 2009 o Estatuto da Criança e do Adolescente passou por uma reformulação priorizando o acolhimento familiar, atendendo as exigências do Judiciário e Ministério Público. O acolhimento é como se fosse uma substituição do abrigo, por vários estudos constatar que a criança tem um desenvolvimento muito mais saudável dentro de uma família”, enfatiza Neusa.

O serviço de acolhimento familiar em São Miguel tem aporte técnico, conta com psicólogo, assistente social, equipe do Judiciário, sendo aprovado e sancionado por meio da Lei Municipal nº 3.168/2019. “Será uma família normal da sociedade civil, porém que irá passar por todo um processo, de avaliação, capacitação, até ser habilitada para poder levar a criança para casa e cuidar dela por um período, em que a família biológica estiver incapacitada de fazer esse trabalho”, explica.

De acordo com a coordenadora da Casa Lar, Sideney Cardoso, a família que tiver interesse em participar do serviço de Acolhimento, deve entrar em contato com a equipe da Secretaria Municipal de Assistência Social para mais esclarecimentos.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO, IMPRENSA E MÍDIA SOCIAL


Compartilhe

Google+