O Prefeito de São Miguel do Iguaçu, Claudio Dutra, esteve durante a manhã de hoje (24) na sede da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, participando de uma reunião com a presença do Secretário de Segurança Pública do Paraná, Coronel Marinho, Juiz de Direito da Vara Criminal e Diretor do Foro da Comarca de São Miguel, Dr. Ferdinando Scremin Neto, além de inúmeras autoridades civis e militares das diversas forças, incluindo o DEPEN, com objetivo de confirmar projetos na área de segurança pública do Município.

O projeto abarca diversas estruturas como a implantação de uma base área utilizando hangares do aeródromo municipal, a construção do novo quartel do corpo de bombeiros e a Casa de Custódia para abrigar presos provisórios da região.

“São Miguel está em área estratégica de fronteira e os investimentos na área de segurança pública são bem-vindos”, ressaltou o Dr. Ferdinando Scremin Neto, que aproveitou a ocasião para rebater as críticas infundadas ao projeto da Casa de Custódia: “A cidade terá agentes penitenciários, o SOE (grupo especial do DEPEN) e mais policiais nas ruas, sobretudo os que hoje cuidam dos presos, os que virão no próximo concurso e os policiais que farão parte da base de operações aéreas; a casa de custódia terá ainda ambulatório médico e odontológico específicos, equipes de saúde e apoio social, portanto não irá comprometer a rede de atenção à saúde do município, até porque os casos mais graves serão encaminhamos a hospitais em Foz do Iguaçu e Curitiba, no Complexo Médico Penal (CMP); os recursos são federais e a cidade ainda ganha com oportunidades de vagas por concurso público, aluguéis, vestuário, alimentação, comércio e serviços; não vai motivar a vinda de familiares de presos por duas razões: a prisão é provisória, até a sentença, geralmente por 2 a 6 meses apenas, e a lotação será dos presos da região; cidades que historicamente foram contra a construção de casas de custódia, a exemplo de Umuarama e Guaíra, irão receber unidades semelhantes à proposta para a cidade”.

O Juiz inclusive ressaltou que as iniciativas já começaram com a remoção de presos condenados para Foz do Iguaçu, local onde irão cumprir as sentenças, inclusive para as vagas da Casa de Custódia, e lembrou que a Comarca encontra-se em área estratégica de fronteira em que a presença do Estado diminui a criminalidade e demanda estruturas necessárias ao abrigo dos presos das operações Muralha, Fronteira Blindada, Ágata, dentre outras. “Infelizmente há muita desinformação a respeito do tema, até por isso todas as críticas estão sendo rebatidas. Nesse sentido o Poder Judiciário, o Ministério Público, o Delegado da Polícia Civil e o presidente da OAB na região são favoráveis, seja por questões técnicas e ainda visando a melhoria da segurança na região”, finalizou.

ASSESSORIA

 


Compartilhe

Google+