Uma reunião na manhã de ontem (10) na Prefeitura discutiu o aproveitamento dos produtos orgânicos produzidos em São Miguel do Iguaçu na merenda escolar das escolas municipais. A cidade é uma das maiores produtoras de hortaliças, frutas, leite e panificados da região Oeste.

 

Estiveram reunidos o vice-prefeito Maurão Remor, representando o prefeito Claudio Dutra, o coordenador do programa de Agroindústria da Emater Carlos Strapasson, o presidente da Câmara de Vereadores Edson Ferreira, a presidente da APROSMI – Associação de Produtores de Agricultura e Pecuária Orgânica de São Miguel do Iguaçu Marlene Schimidt, além de representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Conselho Agropecuário e agentes de crédito.

 

Conforme dados do Departamento Municipal de Licitação e Contratos, quase 50% dos alimentos utilizados na merenda escolar podem ser comprados dos pequenos agricultores do interior do município, por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. “O objetivo é comprar o que se produz aqui. Nossos alunos vão ter uma merenda mais incrementada, com alimentos mais saudáveis e mais frescos. Ao invés de buscar um caminhão de alface do Ceasa, vamos comprar essas mercadorias de vários agricultores do município. Queremos fazer com que o dinheiro gire aqui e fortaleça nossa economia,” explicou o vice-prefeito, reafirmando ser bairrista.

 

Para Marlene Schimidt, presidente da APROSMI, com a viabilização deste projeto, “os produtores terão venda garantida possibilitando que eles produzam mais e possam fixar suas raízes no campo”.

 

O presidente da Câmara de Vereadores incentivou o projeto e afirmou que é dever dos governantes valorizar os agricultores locais. “Eu desconhecia a grandeza da produção dos nossos produtores rurais que serão os maiores beneficiados com isso. Estamos à disposição para, junto com o governo municipal, criar mecanismos que garantam a renda das famílias rurais”, disse.

 

Um estudo será feito para avaliar os alimentos que podem ser substituídos por outros que contenham o mesmo valor nutricional.

 

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO


Compartilhe

Google+