O serviço público de saúde em São Miguel do Iguaçu passará a contar com o atendimento de mais cinco médicos a partir do mês de setembro. O município foi contemplado com o programa Mais Médicos, do Governo Federal, que prevê a contratação de profissionais estrangeiros para atuar em diversas cidades do País.

 

Para a secretária de Saúde, Maria Elisabete de Borba, a contratação desses profissionais é um passo importante para melhorar o serviço de saúde e garantir o direito das pessoas no acesso a consultas médicas, mesmo as que moram em locais mais distantes. “São Miguel é único município da 9ª Regional a ser contemplado pelo programa. Isso é um privilégio e de grande valia, pois não irá onerar o orçamento da Prefeitura”, ressalta.

 

Dos cinco profissionais, apenas um é brasileiro e os demais de outros países da América Latina. As especialidades dos médicos são em clínica geral, cirurgia geral, pediatria e ginecologia. De acordo com a gestora, São Miguel conta com apenas um médico pediatra no serviço público de saúde e outro para consultas particulares. “Com mais um pediatra, podemos duplicar o número de consultas diárias, hoje 20 no total. E ainda assim teremos necessidades de mais profissionais nesta área”.

 

Com os novos profissionais, o quadro da Secretaria Municipal de Saúde será de 13 médicos distribuídos nos plantões, posto de saúde Central, Pronto Atendimento e unidades básicas de saúde.

 

No dia 02 de setembro será assinado o contrato entre os médicos e o Ministério da Saúde, com validade para três anos, e no dia 15 de setembro eles iniciam os trabalhos no município. O salário será depositado pelo Governo Federal diretamente nas contas dos profissionais, sem intermédio do Município.

 

Conforme a secretária, o contrato dos médicos é exclusivamente para prestar serviços à Estratégia de Saúde da Família (ESF’s), programa do Governo Federal voltado à atenção básica – os chamados postos ou unidades básicas de saúde. “Eles irão atuar em todas as unidades, incluindo a Central. Haverá uma reprogramação da Secretaria de Saúde para receber esses médicos”, explica Elisabete.

 

Seleção

 

Segundo a chefe da pasta, o principal critério para seleção do município foram as populações quilombola e indígena. “Persistimos muito na inscrição do programa. Muitos outros municípios não conseguiram, já que o sistema do Ministério da Saúde sempre estava sobrecarregado. Colocamos um profissional exclusivamente para cuidar das inscrições e obtivemos êxito”, comemora Elisabete.

 

Ampliação na atenção básica

 

O município tem aprovado pela 9ª Regional mais três equipes de ESF. O projeto já foi encaminhado ao Ministério da Saúde. “Para termos 100% de cobertura precisamos de dez equipes. Hoje são cinco ESF’s em funcionamento no município”, acrescenta a secretária de Saúde.

 

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO


Compartilhe

Google+